segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

Poesia: O Roubo

É assim que ela se aproxima
Passos lentos
Sorrateiros
Silenciosos

Flexíveis como um rato
Como uma velha e arranhada
Carta de tarot
Que por tantas mostra

Que se aproveita da escuridão da noite
Dos risos
Dos sonhos
Ilusões
Surrupia toda a nossa subsistência

Nos deixando muitas vezes
Um extremo vazio
Um nada

Ela ainda não sabe pois
Está sonhando que vai ser feliz.



Lindaiá Campos