sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Poesia: Degenerativa



Estou me degenerando a cada dia...
Mais isso não me impede de apreciar o mar
Sentir seu cheiro, o frescor na minha pele.

Não me impede de olhar para o céu e comtemplar as estrelas,
Não me impede de pular, dançar, cantar, sorrir, viver
Quando a dor me é menos insuportável, ainda sim
O faço, dentro de mim

Continuo com o mesmo desejo de me levantar pela manhã
E conhecer o que esse mais novo dia trouxe para mim
E em contra partida preparada para aceitar

Que nessa ilustre peça chamada vida
Cada qual só dar aquilo que tem
E devemos ser maduros e altruístas o suficiente para isso.



Lindaiá Campos