segunda-feira, 12 de junho de 2017

De onde vem: O dia dos namorados e sua data no Brasil porque é diferente?






Olá galerinha, como estão?

Espero que bem.


Bom estamos iniciando o mês de Junho, o mês de Santo Antonio o santo casamenteiro, o dia dos namorados, mais também temos muita gente talentosa aniversariando nesse mês, entre tantos talentos temos Fernando Pessoa, Machado de Assis, Antoine de Saint-Exupéry, são apenas alguns exemplos do quanto tem gente boa e especialista em falar de amor, prato cheio para o período.

Falando em amor, claro que o Você não pode deixar de ler não ficaria sem prestar sua homenagem. 12 de Junho, a data em que o Brasil escolheu para celebrar o amor, mais como surgiu essa data? Qual seu significado? Sua história, sua origem. De onde vem?


São muitas as histórias, a versão mais conhecida da comemoração teria se originado na Roma antiga, no século III.
O padre Valentim lutou contra as ordens do imperador Cláudio II, que havia proibido o casamento durante as guerras. Acreditava-se na época que os solteiros eram melhores combatentes. Porém Valentim não concordava e continuou a celebrar casamentos as escondidas e, achando pouco o fato de não ter renunciado ao cristianismo, casou-se também as escondidas, o que acabou condenando-o a morte por desobedecer as ordens do imperador.






Ah, o amor tudo espera, tudo sofre, tudo crer, tudo suporta enquanto aguardava na prisão o cumprimento da sua sentença, muitos jovens jogavam bilhetes encorajadores em sua cela. Um deles veio de Astérias, filha cega de um carcereiro por quem Valentim se apaixonou. Ele, milagrosamente, devolveu-lhe a visão. Essa história parecia fadada a um final não muito feliz, então antes de partir, Valentim escreveu uma mensagem de adeus para ela, na qual assinava como “Your Valentine” (“Seu Valentim”), expressão ainda hoje utilizada nos cartões de Valentine’s Day ou seja: seu namorado.
Considerado mártir pela igreja Católica, a data de sua morte – 14 de Fevereiro – também marca a véspera de lupercais, festas anuais celebradas na Roma antiga em honra de Juno (deusa da mulher e do matrimônio) e de Pã (deus da natureza). Um dos rituais desse festival era a passeata da fertilidade, em que os sacerdotes caminhavam pela cidade batendo em todas as mulheres com correias de couro de cabra para assegurar a fecundidade.

Na Idade Média, século XVII, ingleses e franceses dizia-se que o dia 14 de Fevereiro era o primeiro dia de acasalamento dos pássaros. Por isso, os namorados da Idade Média usavam esta ocasião para deixar mensagens de amor na soleira da porta da amada. A data foi adotada pelos Estados Unidos um século depois, tornando-se Valentine’s Day.

A taxa de natalidade do dia 14 de Fevereiro teve um aumento considerável nas últimas décadas. Isso porque, com a adoção de cesarianas pelas gestantes, é possível marcar a data do parto com antecedência. Curiosamente, no Dia das Bruxas (31 de Outubro), essa taxa é cada vez menor.
É bem provável, no entanto que essa história toda seja apenas uma lenda. Em 1969, a Igreja Católica deixou de reconhecer São Valentim, por não haver provas de sua existência. A Igreja só chegou a reconhecer o santo, no ano 5 d.C., para se apoderar das extintas festas pagãs lupercais, iniciadas no dia 15 de Fevereiro. A atenção dos fieis era desviada para as comemorações de São Valentim.
Os norte-americanos compram 1 bilhão de cartões no Valentine’s Day. É o maior volume de vendas de cartões do ano (supera até os tradicionais cartões de Feliz Natal). Quem mais recebe esses cartões, nessa ordem, são: professoras, filhos, mães, esposas, namoradas e bichos de estimação.

Cerca de 35 milhões de chocolates em forma de coração são comprados no mundo na data. São produzidos 8 bilhões de balas em forma de coração todos os anos. Enfileiradas, elas fariam o percurso Estados Unidos – Itália vinte vezes. Os namorados trocam 50 milhões de rosas todos os anos no Valentine’s Day 75 delas são compradas por homens).
A cidade italiana de Verona, palco do romance “Romeu e Julieta”, de William Shakespeare, recebe no dia 14 de Fevereiro milhares de cartas endereçadas a Julieta.


No Brasil, é comemorado em 12 de Junho a partir de 1849, quando o publicitário João Doria trouxe a ideia do exterior e a apresentou aos comerciantes.
Como junho é um mês de vendas baixas, eles decidiram comemorar a data nesse mês e ainda escolheram a véspera de Santo Antônio, o santo casamenteiro como o Dia dos Namorados.
A ideia inicial pode ter sido um tanto quanto interesseira, afinal, escolheram o mês de junho por ser um mês fraco de vendas, no entanto seja qual quer que seja a data que se comemora um namoro, uma paixão, um relacionamento a dois, o importante é o amor e o carinho que são demonstrados, compartilhados e vivenciados por um casal.


Então galera, não importa o dia o bom mesmo é se amar e celebrar a cada ano disso.





Lindaiá Campos

Fonte: Google, guia dos curiosos.