segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Vitrine: Alguns ótimos livros Franceses Contemporâneos

Olá pessoal tudo bem?

Espero que sim!

As vezes lemos diversas obras, sobres diversos temas, mais quantos de nós paramos para olhar de onde vem aquela literatura?
Se é grega, francesa, italiana, polonesa, chinesa, alemã, entre outros.

E tratando-se de literatura, vocês sabem onde tem os escritores mais renomados?

Isso mesmo, os franceses não são ótimos apenas se tratando de perfumes, mais também são conceituadíssimos quando se trata de literatura. São tantos escritores, que perdemos a conta.

Para quem tiver interesse eis aqui uma lista com alguns escritores:

Alexis Jenni;
Pierre Lemaitre;
Jérôme Ferrari;
Atiq Rahimi;

Entre os século XIX e XX:

Collete;
Marguerite Duras;
Albert Camus;
Honoré de Balzac;
Alexandre Dumas (Pai);
Júlio Verne;
Émile Zola;
Gustave flaubert;
Anais Nin;
Charles Baudelaire;
Stendhal;
Marcel Proust;
Simone Beauvoir;
Victor Hugo;
E o tão querido: Antoine de Saint-Exupéry;

Aposto que alguns desses nomes foram reconhecidos, mais quando se trata dos escritores franceses famosos contemporâneos, quais você conhece?


Vamos aos destaques:

Jean-Marie Le Clézio, Patrick Modiano, Martin Page, Emmanuel Carrére e Michel Houllebecq

Essa lista foi formada com base nas premiações literárias mais importantes da França, como o prêmio Goncourt. Separei alguns livros também de escritores ganhadores do Nobel de literatura e que foram publicados em grandes editoras nacionais.

Espero que gostem e tenham uma boa leitura!


  

Autor(a): Patrick Modiano
Editora: Rocco
Ano da publicação no Brasil: 2014
Páginas: 178
Patrick Modiano nasceu na comuna francesa de Boulogne-Billancourt, em 1945. Recebeu tanto o prêmio Goncourt, em 1978, quanto o Prêmio Nobel de Literatura, em 2014. O livro “Uma rua de Roma”, considerado uma de suas principais obras, conta a história de um homem com amnésia que tenta descobrir pistas sobre seu passado.
Autor(a): J.M.G. Le Clezio
Editora: Cosac & Naify
Ano da publicação no Brasil: 2012
Páginas: 128
Jean-Marie Gustave Le Clézio, ou J.M.G. Le Clézio possui dupla nacionalidade: francês e mauriciano. É considerado um dos escritores mais importantes de sua geração e recebeu prêmios como: Prêmio Renaudot (1958), Prêmio União Latina de Literaturas Românicas (1992) e o mais importante, Nobel de Literatura (2008). A editora Cosac Naify traduziu algumas obras deste autor, sendo “O Africano” uma delas. Neste livro, de apenas 128 páginas, temos os relatos de um rapaz que, com base nas suas lembranças, traça os passos de seu pai, um médico que atuava em colônias inglesas na África.

Autor(a): Martin Page
Editora: Rocco
Ano da publicação no Brasil: 2010
Páginas: 176

Martin Page nasceu em Paris, 1975. Este escritor utiliza bastante do humor e do sarcasmo para trabalhar elementos sociais e culturais do ocidente. Seus livros já foram traduzidos para mais de 20 idiomas, tornando-o um dos escritores franceses contemporâneos mais lidos no mundo. Em “A Libélula dos Seus Oito Anos”, Page apresenta a face mais obscura da arte através de alguns personagens excêntricos. A protagonista é Fio Régale, uma jovem que ameaça e chantageia os outros.
Autor(a): Michel Houellebecq
Editora: Alfaguara
Ano da publicação no Brasil: 2015
Páginas: 256
Conhecido por declarações polêmicas sobre o islã e também sobre o aborto, Michel Houellebecq é um dos escritores franceses contemporâneos mais traduzidos no mundo. Recebeu, em 2010, o prestigiado Prêmio Goncourt. A história de “Submissão” ocorre em 2022, quando um candidato da Fraternidade Muçulmana vence as eleições presidenciais na França. O livro é extremamente controverso, amado por uns, odiado por outros.


Autor(a): Marie Ndiaye
Editora: Cosac & Naify
Ano da publicação no Brasil: 2013
Páginas: 304

Marie Ndiaye nasceu na comuna francesa de Pithiviers, em 1967.  Escritora, roteirista e dramaturga, venceu prêmios importantes como Femina (2001) e Goncourt (2009). Em “Três Mulheres Fortes” temos, como o título sugere, a história de três mulheres resistentes que suportam as mais diversas formas de sofrimento.

 Autor(a): Muriel Barbery
Editora: Companhia das Letras
Ano da publicação no Brasil: 2008
Páginas: 352
Muriel Barbery nasceu em Marrocos, 1969, mas com apenas dois meses se mudou com seus pais para a França. Atua como professora de filosofia e já possui três romances publicados. “A elegância do ouriço” é seu livro mais famoso e foi adaptado para o cinema em 2009.
 Autor(a): Emmanuel Carrère
Editora: Alfaguara
Ano da publicação no Brasil: 2010
Páginas: 224
O parisiense Emmanuel Carrère é escritor e roteirista, formado no Instituto de Estudos Políticos de Paris (Institut d’études politiques de Paris). A obra “Outras Vidas Que Não A Minha” apresenta duas histórias: um casal francês que perde sua filha de 4 anos após a devastação causada pelo tsunami de 2004, no Sri Lanka; uma jovem chamada Juliette que, com 33 anos, luta contra o câncer.



Autor(a): Olivier Rolin
Editora: Cosac & Naify
Ano da publicação no Brasil: 2006
Páginas: 288

Olivier Jean Rolin, ou simplesmente, Olivier Rolin, é um dos mais renomados escritores franceses da atualidade. Formado em filosofia e também em letras, venceu prêmios literários importantes, como o Femina (1994) e o France Culture (2003). O romance político “Tigre de Papel”, cujo narrador é um alter ego do próprio Rolin, tem como base o chamado “Maio de 68”, período marcado por uma greve geral que provocou diversos protestos na França (especialmente em Paris) tanto naquele mês quanto em junho de 1968.

Autor(a): Jean Echenoz
Editora: Editora 34
Ano da publicação no Brasil: 2014
Páginas: 136
O escritor francês Jean Echenoz estudou sociologia e engenharia civil, mas foi através da literatura que obteve sucesso. Em sua carreira, venceu diversos prêmios, como o Fénéon Prize, o Médicis e o Goncourt. O pequeno livro chamado “14”, ambientado na Primeira Guerra Mundial (1914-1918), conta tanto a história de cinco amigos que foram para o front de batalha, quanto de uma mulher que aguarda o retorno de dois deles. 

E vocês? Conhecem mais algum livro? Deixem os seus comentários ai.

Até a próxima pessoal!



Fonte: Leia para viver, Google, nobel de literatura 



Lindaiá Campos