terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Poesia: Tempo


O tempo não para no porto
Não apita na curva
Não espera ninguém

O medo de sofrer correndo nas veias
Deixando tanta coisa para trás
E a gente ficou de mãos cheias
Com coisas que nem valem mais.

E fica com gosto de usado
Naquilo que nem se provou

A gente dormiu acordada

E o tempo depressa passou.

Lindaiá Campos