quarta-feira, 28 de junho de 2017

Vitrine: Entendo o Mochileiro das Galáxias e outras curiosidades



O jogo 1984 foi inspirado pelo Guia Mochileiro das Galáxias. Existem séries e filmes também inspirados no mesmo. Seus livros lançados desde possuem cerca de 30 anos.

O Livro – Salmão da Dúvida (Eoim Cofer), foi considerado pela família de Douglas Adams como parte oficial da coleção. O livro é inglês e surgiu de um canal de rádio na Inglaterra pouco conhecido. E lá vem mais curiosidades:

Não entre em pânico, só toalha” (mantenha a calma e continue) – Keep calm and carry on – Essa expressão foi criada inspirado também no livro, foi através dela também que surgiu o Dia da Toalha.
Existe um asteroide chamado Arthurdent, o mesmo fora descoberto em 1860 e tem esse nome em homenagem a um personagem.

Lembra dos Caça-Fantasmas? Foi criado antes em 1980 impedindo que o Guia do Mochileiro fosse lançado, além do fato de que Douglas tinha o hábito de postergar o máximo que podia seus prazos e entregas.


Babelfish (tradutor de Internet) – Esse nome foi dado em homenagem ao guia do mochileiro das galáxias.


O Dia da Toalha x O dia do Orgulho Nerd (Qual a diferença?) – Os fãs de Star Wars alegam que o dia 25/05 é o Dia do Orgulho Nerd por causa do lançamento do 1º Filme nos EUA. Porém foram os fãs de Douglas Adams que criou esse dia a fim de homenagear o Guia do Mochileiro. Fãs do mundo inteiro participam, nos EUA por exemplo saem nas ruas com a toalha no pescoço como que para levar a palavra, para simbolizar o que gostava no Guia. O irônico disso tudo é que o Douglas era ateu e odiava termos, religiosos como “levar a palavra”, como se fosse um símbolo de evangelização.
Você que nunca ouviu falar dessa trilogia, ou até já ouviu porém nunca leu, ou até leu mais não pegou muito o espirito da coisa, deve estar se perguntando o porquê de tanta repercussão em trono desses livros, tantas homenagens, tantas curiosidades. Vamos caminhar um pouco por essa trajetória.


Esta série de ficção-cientifica-space-opera-cômica foi concebida em 1978 por Douglas Adams, como uma rádio –novela, depois compilada em livros a partir de 1979. A série foi exibida em live action em 1981, e em 2005 ganhou um filme.

Você acorda em uma bela manhã, senta-se para tomar o café e percebe um alvoroço no seu quintal. Eis, então, que você percebe que está prestes a ter a sua casa demolida por empreiteiros para construção de uma via expressa. Do nada, um velho amigo aparece dizendo que vocês precisam dar no pé o mais rápido possível e que ele não tem como te explicar agora, mas pede para que você confie nele. Maneiro, não?

É assim que começa, uma das mais incríveis jornadas pelo espaço-tempo-nonsense e não estamos falando de Doctor Who. Sim! É ele! Nada mais, nada menos que as aventuras de Arthur Dent e Ford Prefect ou como é mais conhecido: O Guia do Mochileiro das Galáxias. Acredite: você não vai querer sair de carona pelo espaço sem ele.

Seu companheiro na verdade é um alienígena, colaborador e escritor para uma das maiores revistas espaciais do universo voltada para caroneiros interespaciais, “O Guia dos Mochileiros das Galáxias”. A revista tem bilhões de tiragens, e é uma tela com milhões de dicas e verbetes, com uma frase escrita em letras garrafais em cores berrantes DON’T PANIC (Não entre em Pânico) – que serve de conselho para todas as situações que o mochileiro pode vir a passar.

Com poucos segundos para saber o que está acontecendo, Arthur parte para uma grande aventura a bordo do Coração de Ouro pilotada por Zaphod Beeblebrox e Trillian – uma garota que é uma antiga paixão de Dent. Como não estavam fazendo nada de interessante até o momento, eles partem em busca da pergunta para a “Questão da Vida, o Universo e Tudo mais”, cuja a resposta todos já sabem.




Adams que morreu em maio de 2001, aos 49 anos, vítima de um ataque cardíaco fulminante – registrou as muitas serventias que uma toalha pode ter para o viajante intergaláctico. Veja:



A toalha é um dos objetos mais úteis para um mochileiro interestelar. Em parte devido a seu valor prático: você pode usar a toalha como agasalho quando atravessar as frias lua de Beta de Jagla; pode deitar-se sobre ela nas reluzentes praias de areia marmórea de Santragino V, respirando os inebriantes vapores marítimos; você pode dormir debaixo dela sob as estrelas que brilham avermelhadas no mundo minijangada as águas lentas e pesadas do rio Moth; pode umedecê-la e utilizá-la para lutar em um combate corpo a corpo (...) Porém o mais importante é o imenso valor psicológico da toalha. Por algum motivo, quando um estrito (isto é, um não-mochileiro) descobre que um mochileiro tem uma toalha, ele automaticamente conclui que ele também tem escovas de dentes, esponja, sabonete, lata de biscoitos, garrafinha de aguardente, bússola, mapa, barbante, repelente, capa de chuva, traje espacial, etc, etc. Além disso, o estrito terá prazer em emprestar ao mochileiro qualquer um desses objetos, ou muitos outros, que o mochileiro por acaso tenha “acidentalmente perdido”. O que o estrito vai pensar é que se um sujeito é capaz de rodar por toda a Galáxia, acampar, pedir carona, lutar contra terríveis obstáculos, dar a volta por cima e ainda assim saber onde está sua toalha, esse sujeito claramente merece respeito”.




Filosófico

Não se enganem, O Guia do Mochileiro da Galáxias é um livro altamente filosófico cheio de insights e questões sobre a vida e a existência em suas várias camadas. Além de contar com o robô depressivo mais querido do mundo: o Marvin! Ele também tem ótimas piadas, diga-se de passagem. Tudo isso sem perder a toalha. Toalha? Sim um dos objetos mais versáteis de toda a galáxia. Se você consegue cruzar o universo sabendo onde a sua toalha está, você é o cara.


Lindaiá Campos


 Fonte: Wikipédia, Google, dia da Toalha